Gentoo Modificado RedCore. Parte II. Uso: Utilitários, Pacotes Binários e Configuração.


Autoria de Alberto Federman Neto, albfneto

Atualizado em 5 de Dezembro de 2018.

1 . INTRODUÇÃO:

RedCore é uma nova distribuição Romena, derivada da Distribuição Americana Gentoo. De fato, é um Gentoo praticamente puro (mas com instalador gráfico).

Para baixar e instalar o RedCore, veja a Primeira Parte desta série.

Neste Artigo, Segunda Parte, descrevo as características, diferenciais, uso e instalação de pacotes no RedCore.

Observação: Artigo escrito no RedCore Linux, usando Navegador padrão Qupzilla. Depois, usando Falkon.

Neste segundo Artigo, descrevo como usar o RedCore, que foi instalado como foi visto na Parte 1. Depois da instalação, configurei mais um pouco, ele ficou assim:

RedCore Instalado e Reconfigurado.

Na Figura, você pode ver: minhas pastas pessoais no Desktop: DOCUMENTOS, PACOTES e APLICATIVOS (eu sempre faço assim).

No painel, embaixo (45 pixels), da esquerda para a direita: Menu de Aplicativos; 4 áreas de trabalho; QTerminal; Qupzilla (depois, atualizei para o Falkon); PCMan-FM (Gerenciador de Arquivos); Sisyphus (veja abaixo); Notificador de aplicativos abertos; Volume; montagem de dispositivos, sensores de hardware, mostrar Desktop e relógio configurado, data e hora.

2 . MODO BINÁRIO:

Vamos ver agora, modos de operação, pacotes etc… O RedCore não é uma cópia do Gentoo, do Sabayon, ou do Calculate. E sim é diferente deles. Tem código próprio e inovador, e segundo seus desenvolvedores, se propõe a levar o “Gentoo para as Massas“.

O utilitário principal do RedCore, se chama Vasile. Com esse programa (em modo de comando), se pode: fazer pacotes para o RedCore (binários tipo Gentoo); fazer uma ISO do sistema instalado, e a função principal dele: Trocar o modo de operação.

Três modos de operação são possíveis: Modo Binário (ele só usará pacotes binários); Modo chamado pelos desenvolvedores de Misto (usando binários ou compilando pacotes, ou partes deles, a partir do Ebuild e dos Fontes) . Trata-se de um modo híbrido e semi binário. Existe ainda o Modo Fonte.

No Modo Fonte. o RedCore é um Gentoo puro, como o Calculate. No Modo Misto, ele é parecido com o Sabayon, podendo usar tanto Fontes (compilados com Portage) como binários tipo Gentoo.

Diferentemente do Sabayon (que usa instalador de pacotes Entropy), o RedCore sempre usa Portage, mesmo para instalar os binários., pois seu utiltário Sisyphus, sempre usa o Portage.

Vamos começar com o mais simples, Modo Binário, que é o recomendado para os iniciantes no RedCore. Somente abordarei os modos avançados, Misto e Fonte, em um terceiro Artigo desta série.

O ponto de partida: Você instalou o RedCore (seguindo o Tutorial da Parte 1).

No ambiente LxQt, abra um terminal (o padrão é QTerminal). É um terminal excelente, com múltiplas abas, multiplexação e suporte unicode.

No terminal, execute os comandos:

$ su (e senha de Root, que fez quando instalou o sistema)
# vasile --binmode

Isso colocará o RedCore em modo padrão binário, o mais recomendado aos iniciantes. O RedCore usará pacotes binários

Configurando o RedCore Para Usar Modo Binário.

3 .  ATUALIZAR, INSTALAR E REMOVER PACOTES:

O Gerenciador de Pacotes se chama Sisyphus (pronuncia-se Sáizifus)

Ainda não está traduzido para Português do Brasil. Abra-o, a partir do Menu (“Sistema”, “Sisyphus GUI”), ou com o comando:

 
$ sisyphus-gui-pkexec

Olha o Sisyphus-GUI.é bem intuitivo:

SISYPHUS. Gerenciador de Pacotes do RedCore.

Vamos atualizar o sistema. tem de estar em modo binário.

Na interface gráfica Sisyphus, clique, em cima, à esquerda, na engrenagem e atualize o repositório principal.

É o da Universidade de Princeton. A estrutura do repositório (da árvore de diretórios) é muito semelhante à do Sabayon e do Gentoo.

RedCore ainda não tem repositórios Brasileiros.

Depois de atualizar o repositório, clique no botão central, embaixo, “Upgrade”:

Usando Sisyphus para atualizar o RedCore.

Ou use os comandos:

# sisyphus upgrade

Os repositórios serão sincronizados automaticamente, mas  se desejar apenas atualizar os repositórios, execute um comando:

# sisyphus update

Em tempo, uma das minhas atualizações do RedCore, veja meu primeiro artigo, comando sisyphus upgrade”:

O comando “sisyphus” (veja com sisyphus –help) tem várias opções. exemplo, comando para listar os espelhos disponíveis:

# sisyphus mirror list
1 * http://mirror.math.princeton.edu/pub/redcorelinux/packages/
2 http://mirror.alpix.eu/redcorelinux/packages/
3 http://mirror.yandex.ru/mirrors/redcorelinux/packages/

Procurar e instalar pacote(s)?

Sugiro a você que instale os seguintes pacotes: mlocate (um excelente localizador de arquivos); eix (um utilitário para achar pacotes no Portage. Funciona no Gentoo e distros derivadas); git (um excelente sistema de controle de versões, desenvolvido por Linux Torvalds (criador do Kernel Linux) e muito usado em distribuições derivadas do Gentoo. Também smplayer (ótimo tocador multimídia); esearch (outro localizador para Portage, indexado). kate (bom editor de texto para KDE e Qt), e geany (um intermediário entre um editor de texto e um IDE , ambiente integrado de desenvolvimento).

Se quiser, instale outras coisas: Eu instalei krusader (um gerenciador de arquivos de árvore dupla). BleachBit (um limpador de sistema); fish (um Shell fácil de usar e muito configurável).

Na interface gráfica acima, veja que é bem intuitiva, você pode procurar (e instalar) facilmente, o(s) pacote(s) que queira.

Em meus testes, notei duas desvantagens: Se você estiver instalando o pacote e tentar re-acertar o repositório (clicando na engrenagem acima, à esquerda), o Sisyphus vai fechar. Também, somente procura e instala um pacote por vez (ou o pacote, e suas dependências diretas).

Aqui procurei e marquei o Editor Geany. Marque e clique no primeiro botão, embaixo, lado esquerdo, “Instalar Pacote”. O Sisyphus-GUI, instalando o Geany e suas dependências:

Interface Gráfica Sisyphus-GUI, Instalando o Editor Geany e suas Dependências.

Se preferir instalar os pacotes com comandos, não precisa abrir o Sisyphus. Abra um Terminal e execute:

$ sisyphus search PACOTE(s)
# sisyphus install PACOTE(s)

Vamos aproveitar, em um exemplo prático. O navegador padrão é o Qupzilla, que agora se chama Falkon. De fato, o próprio time do RedCore, recomenda sua atualização.

Então, este será o nosso primeiro pacote instalado com comandos.

Os comandos abaixo removem o Qupzilla e instalam o Falkon:

$ su (e senha de Root)
# sisyphus uninstall qupzilla
# sisyphus install falkon

Não se preocupe com os repositórios. Eles serão atualizados e sincronizados automaticamente, mesmo na remoção do pacote (assim como na instalação!)

Comando Sisyphus, atualizando os repositórios.

A seguir, após remover o Qupzilla, instalando o Falkon.

Removendo o Antigo Navegador Qupzilla, e Instalando o Falkon.

Após remover o Qupzilla e instalar o Falkon, verifiquei ser necessário renomear o diretório /home/usuario/.config/qupzilla , para /home/usuario/.config/falkon , para manter as configurações do navegador.

Isso pode ser feito com a interface gráfica, o gerenciador de arquivos, ou com simples comandos. Não é necessário acesso como superusuário, visto que as pastas do /home pertencem ao usuário comum. Execute estes comandos:

$ cd /
$ cd ~/.config
$ cp -rp qupzilla qupzilla.copia
$ mv qupzilla falkon

Mais um exemplo de pacote: Um identificador de distribuição e suas características, o Neofetch. Comando para instalar:

$ su (e senha de Root)
# sisyphus install neofetch

Eis ele aqui, no RedCore:

Neofetch (uma alternativa ao Screenfetch) no RedCore.

Assim, vimos que usando a interface gráfica “sisyphus-GUI” ou o comando sisyphus, você pode instalar os pacotes que quiser, no RedCore.

4 . CONFIGURAÇÕES E PERSONALIZAÇÃO:

Por padrão, o RedCore não usa sudo. Após o comando “su” e senha de Root, você poderá executar comandos como superusuário, mesmo nas aplicações gráficas. exemplo, editor de texto Geany, como root:

$ su (e senha de Root) 
# geany

Mas supondo que queira usar sudo gráfico. O RedCore tem o pacote kdesudo instalado (comando seria kdesu5 aplicativo), mas em meus testes, descobrí que ele não atua, não abre mais o pacote gráfico, por causa do dbus e do polkit. De fato, veja Item 3, o Sisyphus-GUI, abre com o comando “sisyphus-gui-pkexec“.

Então vejam, o RedCore usa pkexec, comando de Polkit. De fato, isto é recomendado em várias distros, posto que kdesudo-kdesu-gksudo-gksu são considerados deprecados.

Voltemos ao exemplo do editor Geany. Para você abri-lo, como super usuário, com “esse novo sudo gráfico“,faça assim:

  
$ pkexec geany                se não abrir, use:
$ pkexec --user root geany

Uma janela gráfica se abrirá, onde você coloca a sua senha de Root. Se quiser, ou precisar, configure o pkexec.

Com isso poderá personalizar tudo, modificar o que quiser.

Por exemplo, eu uso sincronização de hora, com servidores de tempo. Para você também usar, instale o pacote NTP, com Sisyphus-GUI ou com o comando:

 
$ su (e senha de Root) 
# sisyphus install ntp

Agora coloque o serviço do ntp para iniciar no Boot. lembre que o RedCore não usa Systemd (usa OpenRC), portanto, “A La Gentoo”:

 
$ su (e senha de Root) 
# rc-update add ntpd boot
# reboot

Será criado um arquivo /etc/ntp.conf, que ví, ser idêntico ao do Gentoo. Como uso servidores de tempo brasileiros, lista completa e adaptada para o Estado de São Paulo, resolvi trocar pelo meu arquivo:

 
$ su (e senha de Root) 
# mv /etc/ntp.conf /etc/ntp.conf.original
# geany ntp.conf 

Editei e usei o meu arquivo, completo, adaptado para minha região, Estado de São Paulo. É o mesmo que eu uso no Sabayon e no OpenSUSE. Você pode usar o meu, ou um mais Geral para o Brasil, ou ainda adaptar para sua região geográfica. Eis meu arquivo /etc/ntp.conf:

# Baseado em Arquivos NTP padronizados
# Modificado por Albfneto <albfneto@fcfrp.usp.br>, Brasil,
#  Versão 9, Completo, 2018.

# Observação: Modificado com nova Sintaxe nos Servidores, veja:
# URL: www.pool.ntp.org
# Esta versao, bem completa,
# contem quase todos os servidores do Brasil,
# modifique para o seu Estado.
# Lista de todos servidores mundiais,veja:
# http://support.ntp.org/bin/view/Servers/WebSearch?

# NOTES:

# DHCP clients can append or replace NTP configuration files.
# You should consult your DHCP client documentation about its
# default behaviour and how to change it.

# Desejando procurar automaticamente servidores, inves de escolher, 
# descomente:
# netselect -s 3 pool.ntp.org

# If you want to deny all machines (including your own)
# from accessing the NTP server, uncomment:
#restrict default ignore

# To deny other machines from changing the
# configuration but allow localhost:
# configurar e restringir acesso
# Para seu computador fazer parte de um Pool,
# comente "nopeer"
restrict nomodify nopeer notrap
restrict 127.0.0.1
# default do arquivo original, comentado:
# restrict default kod notrap nomodify nopeer

# To allow machines within your network to synchronize
# their clocks with your server, but ensure they are
# not allowed to configure the server or used as peers
# to synchronize against, uncomment this line.
#restrict 192.168.0.0 mask 255.255.255.0 nomodify nopeer notrap

# CONFIG
# "memoria" para o escorregamento de frequencia do micro
# pode ser necessario criar esse arquivo manualmente com
# o comando:
# touch /etc/ntp.drift:
driftfile /etc/ntp.drift

# estatisticas do ntp que permitem verificar o historico
# de funcionamento e gerar graficos:
statsdir /var/log/ntpstats/
statistics loopstats peerstats clockstats
filegen loopstats file loopstats type day enable
filegen peerstats file peerstats type day enable
filegen clockstats file clockstats type day enable

# servidores gerais e pools. o Primeiro da lista e o principal:

# COLOQUE AQUI SEU SERVIDOR PRINCIPAL, ESCOLHA POR DISTANCIA
# GEOGRAFICA:
#  server meu-servidor.dominio.br iburst

# Meus Servidores Principais, Stratum 1 e 2, Sao Carlos, SP
# mais perto de Ribeirao Preto:
server ntpi1.ifsc.usp.br iburst
server ntp.ufscar.br iburst

# Meus segundos Servidores , por distancia, UNICAMP:
server ntp.unicamp.br iburst

# Servidor NTP da USP, Sao Paulo, SP, Stratum 2. 
# Antigamente, era o principal:
server ntp.usp.br iburst

#  Recomenda-se usar pelo menos 3 ou 4 Servers ou Pools:

# Servidor Stratum 2 em Valinhos, SP:
# URL: support.ntp.org/bin/view/Servers/PublicTimeServer000017
server ntp.hiway.com.br iburst

#Servidores Stratum 2 em Jundiai, SP:
# URL: support.ntp.org/bin/view/Servers/PublicTimeServer000727
server ntp.spbrasil.com.br iburst
server time.spbrasil.com.br iburst

# Servidor de uso publico, em Sao Paulo:
server gps.ntp.br iburst

# Voce pode se quiser,  só usar os servidores publicos Oficiais
# do projeto ntp.br, Stratum 1 ou 2:
# Exemplo, veja: URL: support.ntp.org/bin/view/Servers/PublicTimeServer000511
# Se quiser, deixe como principais
# os 4 primeiros sao mais novos, e os tres seguintes, classicos
server a.st1.ntp.br iburst
server b.st1.ntp.br iburst
server c.st1.ntp.br iburst
server d.st1.ntp.br iburst
server a.ntp.br iburst
server b.ntp.br iburst
server c.ntp.br iburst

# Pool de Servidores Brasileiros, nova Sintaxe,
# URL: www.pool.ntp.org/zone/br
server 0.br.pool.ntp.org iburst
server 1.br.pool.ntp.org iburst
server 2.br.pool.ntp.org iburst
server 3.br.pool.ntp.org iburst

# Pool de servidores Sul-Americanos:
server south-america.pool.ntp.org iburst

# Pool Geral Mundial. Nova Sintaxe:
# URL: www.pool.ntp.org/en/use.html
server 0.pool.ntp.org iburst
server 1.pool.ntp.org iburst
server 2.pool.ntp.org iburst
server 3.pool.ntp.org iburst

# se todos falharem:

# servidor da PUC do Rio:
server ntp.puc-rio.br iburst

# Servidor Stratum 1 da UFRJ:
server ntps1.pads.ufrj.br iburst

# Servidor da RNP, Brasilia, DF:
server ntp.cais.rnp.br iburst

# Servidor "Horário Oficial do Brasil", 
# Público, Brasília, DF
# às vezes está offiline,porisso,comentei
# www.horariooficial.com.br/
# server ntp.horariooficial.com.br iburst

# Stratum 1, do Observatorio Nacional, Rio de Janeiro
# Servidores Padrao, direto do Relogio de Cesio.
# agora comentados pois nao sao mais de acesso publico:
# server ntp.on.br iburst
# server ntp2.on.br iburst

# Mais servidores Brasileiros:

# Rede Nacional de Pesquisa:
server ntp.cais.mp.br iburst
server ntp.cais.rnp.br  iburst
server ntp.pop-pr.rnp.br iburst

# RNP - Stratum 1,2, Brasilia
server ntp1.rnp.br iburst

# Rede Nacional de Pesquisa, Pool para o Ceara:
server ntp.pop-ce.rnp.br iburst

# UFES, Universidade Federal do Espi­rito Santo:
server ntp.ufes.br iburst

# PUC do Parana:
server ntp1.pucpr.br iburst

# Univ. Federal do Rio de Janeiro:
server ntp.pads.ufrj.br iburst
server ntps1.pads.ufrj.br iburst

# Pool Telemacro, Sao Paulo, Stratum2 e Stratum3:
# Stratum4 nao existem mais, sao obsoletos.
server ntp.massayonet.com.br iburst

# Velox, Ipatinga, Minas Gerais, Stratum 1,Publico:
server user.veloxzone.com.br iburst

# outros servidores, descomente e adicione aqui
# server outro-servidor.dominio.br iburst

5. CONCLUSÃO:

O RedCore, embora seja novo e ainda pouco maduro, em amplo desenvolvimento, é uma excelente distribuição baseada no Gentoo.

Ele não atualiza automatico (em contraste com  o Sabayon) mas sim, atualiza se você executar um comando ou rodar o Sisyphus-GUI. Portanto pode ser considerada uma Distro “Semi Rolling Release”:

Citação: To achieve this goal, it provides a repository with prebuilt binary packages which receives continuous updates (rolling release model).

Ao menos no modo binário, pode ser usada por iniciantes. Contudo, em minha opinião pessoal, não pode ainda ser considerada tão fácil e amigável quanto o Sabayon e mesmo, o Calculate.

Isso porque ela exige um pouco de prática e conhecimento do Gentoo e como ele funciona. A interface gráfica Sisyphus-GUI, facilita muito o uso, mas o comando sisyphus interage com o Portage e seu uso ainda não é muito intuitivo.

Em todo o caso, para quem gosta de Gentoo ou Sabayon, eu recomendo. Experimentem o RedCore, acho que vão gostar.

Este é o Segundo Artigo da Série, contendo a instalação de pacotes, uso, atualização e gerenciamento do RedCore. No Primeiro Artigo , abordei a instalação das Distro.

Em meu Terceiro Artigo, abordarei o uso avançado, em modo Híbrido e modo Fonte.

Até o próximo Artigo!

Gentoo Modificado RedCore. Parte II. Uso: Utilitários, Pacotes Binários e Configuração.

4 comentários sobre “Gentoo Modificado RedCore. Parte II. Uso: Utilitários, Pacotes Binários e Configuração.

  1. Manoel Estevam disse:

    Bom dia excelente tutorial. O problema dessa distro é justamente a falta de conhecimento sobre ela. Eu particularmente acho ela muito superior ao sabayon. Estou começando com ela mas pretendo me especializar nela de forma mais eficiente, caso precise de alguma ajuda nas postagens sobre a mesma estou disponível para ajudar no que eu puder e souber.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s