Para os Iniciantes. Sugestões do que Copiar em um Backup.


Autoria de Alberto Federman Neto, Albfneto.

Atualizado em 11 de Dezembro de 2020.

O Iniciante em Linux, pode se perguntar. Se eu preciso de um Backup, o que preciso copiar?

Neste Artigo, algumas sugestões do que precisa ou pode salvar no seu Backup.

1. Introdução.

Algumas vezes, mesmo o Iniciante, pode querer trocar de Distribuição Linux, ou vai instalar alguma versão nova do seu Linux favorito

Ele poderia se perguntar…. E agora, o que preciso copiar, ou salvar?

Por isso, resolvi fazer este pequeno Artigo, com sugestões úteis ao Iniciante, e creio. até aos usuários experientes.

2. Escolher o Disco Rígido Portátil ou o Pendrive, e Prepará-lo.

Escolha a mídia ou dispositivo, onde vai salvar os arquivos, efetuar o seu Backup.

Se for muito grande, muita coisa a copiar, melhor usar um disco rígido portátil.

Mas menos coisas a copiar, um simples pendrive grande pode ser suficiente.

Por exemplo, eu copiei todos os documentos, pacotes binários não instalados, Scripts, Configurações, de uma instalação de Sabayon Linux para um pendrive grande de 35 Giga, e ainda sobrou um pouco de espaço. Como o pendrive é menor de tamanho físico, eu o acho mais prático, mais portátil e ocupa menos espaço para guardar.

Primeira coisa… particionar e formatar o disco rígido externo, ou o pendrive

Aqui fica uma Dica, que eu considero interessante. Se você for fazer um Backup só de Linux, ou seja seus arquivos só serão usados, ou restaurados, em um micro com Linux (você nunca vai usar o pendrive ou HD em Windows).

Pendrives vem de fábrica, em geral formatados em FAT32 e , as vezes, sem formatação.

Como você só vai usar Linux, evite a FAT32 e mesmo a NTFS… FAT32 dá problemas com nomes longos, Link 1, ou arquivos muito grandes, maiores de 4 Giga. Link 2. e NTFS pode dar erro de leitura ou corromper os arquivos gravados.

Se nunca vai usar esse pendrive, ou nunca vai usar essa partição do disco rígido portátil em Windows, prefira formatar usando sistemas de arquivos próprios do Linux. Se souber que um dia, vai usar em Windows também e forem só arquivos pequenos, deixe em FAT32 mesmo, que é mais fácil para trabalhar.

Os sistemas de arquivos para linux , Link 3, Link 4, Link 5, Link 6. mais usuais são: Ext4 , jfs, XFS, ReiserFS (do programador Americano, descendente de Alemães, Hans Thomas Reiser) , Link 7, e BtrFS.

Aconselho que você formate e particione o HD externo ou o pendrive, em Ext4 ou em XFS.

Ext4 é o padrão usual em Linux. Eu gostava muito de ReiserFS (muito resistente a quedas de energia) mas ele agora é obsoleto e não é mais suportado por algumas Distribuições Linux atuais.

Em particular, para dispositivos de Backup, eu tenho obtido muitos bons resultados com XFS, um sistema de arquivos muito estável e eficiente, Link 8, e de escrita rápida.

Pelo contrário, tive problemas com jfs, de danos nos dados gravados. A própria IBM , criadora do jfs, reporta corrupção de dados eventual. e BtrFS. considero complicado para usar, a não ser em OpenSUSE.

Visto isso, escolheu onde vai fazer o Backup e o sistema de arquivos que vai usar, agora você precisa formatar e particionar o pendrive ou o HD externo. Isso pode ser feito com comandos.

Nos Linux modernos, espetou o pendrive. ou o HD, ele vai montar automático. Nos Linux antigos, não montava!. Precisa antes desmontar. Agora formatar, em Ext4 ou XFS. Suponha seu pendrive (ou HD externo) é sdc. Execute os comandos abaixo.

$ su
# umount /dev/sdc1
# mkfs.ext4 /dev/sdc1   OU:
# mkfs.xfs /dev/sdc1     

métodos modificados e mais específicos. Link 9. Link 10.

Formatou, cria a partição, tamanho etc… Você pode usar os comandos/pacotes fdisk ou parted.

Diria o Iniciante: Mas assim fica um pouco complicado. Fica mesmo. Afortunadamente tem um método muito mais fácil, gráfico, para formatar e fazer a partição.

Use o aplicativo, pacote Gparted. è um formatador e particionador gráfico, excelente e fácil de usar. É tão importante, que está em todas as Distribuições Linux. Use o Gparted que está dentro da sua Distro favorita, ou em um Live DVD ou Live Pendrive de instalação.

Se ele não abrir, ou pedir para usar Root, tente abri-lo com estes comandos:

$ gksu (ou gksudo) gparted OU CASO USE KDE:
$ kdesu gparted

Ou ainda, pode usar o Gparted Live CD, um CD-DVD sempre com o último e mais recente Gparted. Você pode baixar destes sites:

GNOME Partition Editor.

GParted.

GParted Testing Releases.

E queimar um Live CD dele, ou fazer um pendrive de boot, como o faria com uma Distro. dê Boot com ele e estará no Gparted. Use-o para formatar o pendrive ou o HD externo. Tutoriais, Links: 11, 12, 13, 14, 15.

Assim, com o Gparted, você faz as partições de maneira intuitiva. Na imagem abaixo, fazendo formatação e partições em um pendrive de 64 Giga, usando Gparted:

Formatando e Fazendo Uma Única Partição XFS, em um Pendrive de 64 Giga, usando o Gparted.

3. Copiar Documentos.

Assim, você formatou o pendrive, e caso seja um HD externo (que é maior), você fez as partições que precisa.

Para copiar os arquivos… Se forem poucos arquivos, pode usar comandos. Mas como são muitos, pois é um Backup, é muito mais prático usar seu Gerenciador de Arquivos favorito, ou o da Distro.

Se não tem um favorito, sugiro que use o Krusader.

Krusader, Gerenciador de Arquivos Completo.

Krusader, uma Substituição do WinSCP, no Linux.

Krusader Estável Para Debian.

O Fabuloso Krusader, Gerenciador de Arquivos Multitarefas.

Ele é para KDE, mas funciona em outros ambientes gráficos também. Eu gosto do Krusader porque ele tem 2 árvores e principalmente quando está em Root, monta e lê qualquer coisa, mesmo que hajam pequenos erros internos. Krusader é muito prático, tem interface gráfica intuitiva, permite comandos e terminal, se quiser. E é muito eficiente. Funciona sempre.

Agora copiar seus Arquivos. Cartas, Imagens, Fotos, Vídeos, Músicas, PDFs, Arquivos Pessoais. Espete o HD externo ou pendrive na porta USB.

Fica a sugestão, eu costumo fazer assim. com comando múltiplo.

Crio uma Pasta no Pendrive para “DOCUMENTOS” e dentro, subdiretórios para cada tipo de Arquivo. para seus Documentos, geralmente não precisa de Root. Se não quiser fazer assim, pode fazer os diretórios no Krusader mesmo.

$ cd /
$ mkdir -p DOCUMENTOS/{DOCs,PDFs,imagens,videos,musicas,fotos}


Agora. no Krusader, você marca o que quer copiar, e copia seu Documentos, Vídeos, Músicas, Downloads, PDFs, fotos etc… Se você tudo dentro de uma pasta “DOCUMENTOS” no Desktop (como eu) fica mais fácil ainda.

Gerenciador de Arquivos Krusader, Copiando Arquivos de Documentos Para um Backup em um Pendrive.

4. Copiar Pacotes.

Copiados os Documentos, pode ser interessante salvar os pacotes que baixou. Os meus estão em ~/Desktop/PACOTES, mas para a maior parte dos usuários ficam geralmente em ~/Downloads. Faça uma pasta no pendrive, ou use o Krusader direto.

$ cd /
# cd ~/Downloads

5. Copiar Configurações.

Crie uma Pasta no pendrive ou HD externo, chamada “Configs“, vá para ela, e como Root, usando o Gerenciador de Arquivos, copie todo o conteúdo das pastas de sistema /etc e /boot . E alguns arquivos da sua /home, como por exemplo o seu arquivo ~/.bashrc .

Com isso, você salva cópias seu Kernel, seus arquivos de GRUB, seus arquivos de NTP (se usar sincronização de hora), sua configurações do Bash, o emulador de terminal e inclusive seu sources.list (se usar Distro Debian).

Ainda, usando o Krusader, você pode procurar e copiar, de seu /home/usuário, por exemplo os perfis e suas configurações do seu Firefox.

6. Resumo e Conclusão.

Sugestões são dadas aos iniciantes, sobre o que copiar para salvar arquivos importantes ou fazer um Backup.

Em um disco rígido externo, ou um pendrive grande, usando um Gerenciador de Arquivos, você pode facilmente salvar seus documentos, vídeos, fotos, imagens, pDFs e músicas.

Também pode salvar cópias de pacotes importantes.

Copiando todo o conteúdo das pastas /etc e /boot, você pode salvar cópias do seu Kernel, os arquivos do GRUB, os arquivos que fazem funcionar o X, arquivos de NTP (se usar), seu arquivos de repositórios (se sua Distro for derivada do Debian, será por exemplo seu sources,list).

Copiando alguns arquivos de ~/ (/home/usuário), como o ~/.bashrc, você salva sua configuração de terminal, se ela for modificada. se salvar as pastas ~/.config e ~/.KDE4 , você salva suas configurações do KDE e do GNOME etc…

Então, invés de salvar só seus arquivos, salve alguns arquivos de configuração. Isso pode ser bem útil.

Assim, se perdeu um arquivo, você pode pegar da cópia. Exemplo? perdeu seu sources.list? Como copiou toda a pasta /etc, seus sources-list que funciova estará no diretório /etc/apt/sources.list

Alguns Linuxers experientes costumam fazer Backup até do diretório /home inteiro. Se tiver espaço no HD externo, melhor sobrar backup que faltar.

Para os Iniciantes. Sugestões do que Copiar em um Backup.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s